6 de novembro de 2012

Vontade que não falta

Vontade de tirar o pó, escrever e desabafar não falta. O que falta é sentimento, é cor e sentimento, motivos para desabafar. Estou seco, frio e só.

14 de setembro de 2012

Carta aos Senhores Candidatos



Senhores Candidatos à Prefeitura da minha cidade. Mesmo eu escrevendo isso apenas hoje, não me refiro somente a vocês vermelhos, mas com também falo com todos os amarelos, azuis, verdes, brancos e demais cores.
Vocês têm por hábito promoverem caminhadas, passeatas, carreatas e o que mais quer que seja. Algumas destas foram proibidas e, com certeza, tem um motivo muito justo para isso. O que vocês 
veem como propaganda e imagem para horários eleitorais, eu vejo como um evento desnecessário que não amplia seus votos ou mostra a real quantidade de votos já conquistados. O que vocês veem como status de popularidade na minha cidade, para a qual meus impostos são recolhidos, eu vejo como um desperdício de dinheiro. Eu vejo apenas um comércio parado com funcionários nas portas das lojas, temendo invasões. Eu vejo o trânsito, que já é bem precário, se tornar um caos. Eu vejo filas de ônibus se formando. Eu vejo trabalhadores cansados tendo sua volta para casa e seu tão merecido descanso atrasados. O que você vê como "onda da minha cor", eu vejo como lixo da cor que passou. Sim, pois seja Vermelho, Amarelo, Verde, Azul, Branco ou qualquer cor que seja, o que sua multidão deixa ao passar são inúmeros "santinhos" de candidatos a vereador, uma imensidão de papel picado, bandeiras de plástico, faixas, fitas e tudo o mais vem a entupir as valas, sujar as ruas, enfeiar a cidade e tudo o que de pior você possa imaginar.
Senhores Candidatos. Nosso direito de escolher um de vocês para fazer o melhor por nós não é nenhum carnaval. Não zombe da nossa cara dessa forma. Não se deem ao trabalho de tirarem pessoas que não trabalham e/ou não estudam nesse horário, ou por falta de escola, ou por falta de emprego, de suas casas somente para atrapalhar quem trabalha e estuda ou simplesmente passeia pelo centro da cidade buscando um pouco de paz. Pelo contrário, se deem ao trabalho de colocá-los em trabalhos e em escolas de dignidade, onde eles aprendam que não é preciso nada disso para eleger um bom governante.

4 de setembro de 2012

Te admiro



Admiro seus pés quando você se senta com eles descalços na minha frente. São carnudos, bonitos. Admiro seu olhar infantil e inocente numa cara safada. É um contraste lindo!
Admiro seu sorriso e suas lágrimas. Admiro sua voz e seu jeito engraçado de falar.
Não me apaixono só pelo simples motivo de estar seco e não me apaixonar assim tão facilmente. É que em outras aulas a vida me ensinou que essa de se apaixonar não é legal. Por isso fico aqui, te admirando. Sem amor, sem desejos intensos. Só admiração. Meio que eu me vejo em você. Em seus casos . Em sua história. Igualzinho. As vezes me pego rindo quando formo seu rosto na minha frente. Feito um babaca qualquer, do nada começo a rir sozinho no ônibus. Sou apenas eu te admirando quando você está longe.

28 de agosto de 2012

Esse que eu amei


Esse que eu amei, foi meu primeiro namorado. Namoramos por um ano e meio, ficamos de moído por mais um ano. Entre brigas e voltas, deixamos de nos falar. Seria melhor. Até que o destino me deu notícias dele, de que ele se mudaria de Campina para sempre. Então nos falamos. E tivemos o melhor sexo de nossas vidas, ao ar livre, com as estrelas como testemunha. Dois dias depois fui a seu apartamento, ajudei-o a arrumar suas malas, e nunca mais nos vimos pessoalmente.

17 de agosto de 2012

Caixas de Sapato

Desde pequeno nunca entendi muito essa mania que minha mãe tem de colecionar caixas de sapato, mesmo deixando os próprios sapatos jogados por ai. Caixas de sapato, ao meu ver, serviam apenas para juntar poeira no verão e mofo no inverno.
Serviam...
É que hoje acordei inspirado a fazer uma faxina no meu quarto, e só então tive a necessidade/curiosidade de abrir cada caixa dessa coleção. Mais do que sapatos velhos e papelão, cada caixa destas, guarda memória, guarda uma vida.
Dentre fotos e livros velhos, pude ver parte da minha vida encaixotada como mercadoria.

16 de agosto de 2012

Carta de um suicida


Tem sido difícil. Meu relógio marca horas erradas, minha pressão está no alto de uma torre e os manuais me ensinam lições e maneiras que não me levam a lugar nenhum.  As dores? Estas já tem sido incuráveis; não há analgésicos, álcool ou saídas com amigos que me aliviem. A vida, a respiração e cada batida no peito dói. Uma dor que queima, rasga, dilacera e maltrata. Aos poucos. O que é bem pior. O nascer do sol não me anima, o seu se pôr não me surpreende. A morte em vida é a pior de todas. 
Cansado disso, darei a mim mesmo um presente: Um golpe de misericórdia. "A vida é bela e o paraíso é um comprimido" diz a canção. E é este paraíso que vou conhecer a medida que este comprimido se desfaz lentamente sob minha língua. Tão lento quanto minha dor. Meu medo. Minha visão tão escura quanto meu eu.
Despeço-me de vocês. Poupem-me suas lágrimas, pois estou apenas poupando a minha.

10 de agosto de 2012

O copo do liquidificador

Eu adorava quando ele acordava mais cedo, com cuidado ao sair da cama para não me despertar se um sono leve. Adorava fingir continuar dormindo só pra ver seus braços fortes e suas pernas grossas desfilando até o balcão da cozinha. Adorava sua cara meio susto, meio raiva com o barulho que o liquidificador fazia. Ele sempre zelava por meu sono. Sabe que fico de mau-humor quando sou acordado. Mas não era mau-humor. Era teatro. Eu só queria deixá-lo a vontade em sua regata branca e sua cueca estilo samba-canção para que pudesse tomar suas vitaminas direto no copo do liquidificador sem medo que eu pudesse achar aquilo grotesco e mal educado. Mas é que era grotesco e mal educado mesmo! Mas era lindo... O sol que entrava pela janela do apartamento, quando refletia nos seus pelos meio aloirados que insistiam em aparecer por fora da regata, formavam a mais bela silhueta masculina que jamais havia visto. Dentre tantos homens que passaram pelo meu apartamento, pela minha vida, era dele o peito mais bonito! Peito de homem, sabe? Malhado, peludo... Ficava lindo em conjunto com aquelas mãos grossas que seguravam o copo do liquidificador.
Mas já passaram por minha cama, meu apartamento e minha vida, outros corpos sarados, outros peitos peludos. Mas nenhum destes muitos corpos sarados e muitos peitos peludos se rendiam a delicadeza de me acordar de um sono fingido com um sussurrar de Bom Dia no ouvido, seguido de um leve beijo nos lábios. Nenhuma outra regata branca ou cueca estilo samba-canção me pegava pela mão a me levar até torradas quentes e ovos fritos. Ah, aquela boca carnuda que encostava no copo do liquidificador... Nenhuma outra me beijou de forma tão grotesca e mal educadamente linda.

Porn


Me bate com força. Finca teus dentes em minhas costas e tuas garras em meu peito. Faça-me sentir homem. Deixe-me marcas por dentro e por fora da pele. Me amarre, me jogue em cima da cama e explore cada centímetro do meu corpo. Grita, geme, fica de quatro e implora por mim. Depois de pisar no meu peito nu, sou eu quem mando agora, sua vadia. Abre a boca. Engole!

6 de agosto de 2012

Eu não gosto de estiletes


Eu não gosto de estiletes. Eles são instáveis, apesar de úteis. Se desgastam facilmente e é preciso quebrá-los para, enfim, usá-los. Eu não gosto de estiletes. Quando não estão cegos, passando desapercebidos por trabalhos já feitos, eles estão te ferindo, cortando mais do que deveria. É difícil encontrar o ponto ideal de um estilete. E este pondo ideal acaba muito rápido.
Eu gosto de adesivos. Estes, que se ferem e se rasgam com os estiletes, são fieis ao que foram colados. Eles são bonitos e cobrem qualquer ranhura, qualquer mancha, apenas por ser seu trabalho. Sinto que adesivos gostam disso. Eu gosto de adesivos. Eles ensinam. Se colam em algo que não quer sua aderência, eles simplesmente desistem, vão se colar em outro lugar. Nada de ficar tentando o que não vem.

2 de agosto de 2012

Manhã vermelha

Ela acordou cedo. Tomou um banho demorado, escolheu sua melhor lingerie, seu melhor vestido e borrifou sobre sua pele, o mais caro de seus perfumes. A casa estava arrumada e um delicioso almoço estava para ser servido. Só faltava a sua chegada. Ele. Aquele que ela por tanto tempo esperou.
Ele foi chegando, jogando os sapatos pela sala, arrancando os botões da própria camisa e pegando sua amada pela cintura. Arrancou-lhe um beijo. Dois. Três e uma manhã de amor.
-O almoço está pronto, querido! - gritou da cozinha a mulher que foi, de longe, a mulher mais mulher na cama. Sentado na mesa, ele, aquele que ela por tanto tempo esperou, viu uma arma apontada na direção de seus olhos. 
E foi a última coisa que ele viu. Ela, finalmente, o matou.

31 de julho de 2012

Bem vindo, Agosto


Pode entrar, meu querido! Por favor não repare a bagunça, mas é que eu estava distraído ainda com o porre de Julho. Entre, sinta-se a vontade, se ajeite ai no melhor lugar do meu sofá. Vou arrumar-me para você, grandes amigos não precisam de cerimônia, mas quero estar bonito para você. Vou tomar um banho, por uma roupa bem bonita e confortável, afinal vamos ter um período bem divertido juntos. Gosta da música? Estou tocando pra você! Promete me fazer bem? 
Mas vai cumprir de verdade?

24 de julho de 2012

Meu blog é neutro em CO2

O Monotonia Diária, além de preocupado com meus sentimentos, é preocupado com com os sentimentos desse imenso planeta azul em que vivemos. Somos bilhões de pessoas em espaços cada vez menores, e por isso decidi colocar este blog em ação. Agora ele faz parte de um projeto lindo e ganhamos uma árvore! 
O projeto plantou uma árvore pra o Monotonia. É um pontinho de verde no planeta, melhorando o mundo que estamos!

19 de julho de 2012

Sobre o mês que está por vir


Todos falam sobre o mês de agosto. Contam que é ruim, de péssimas lembranças   e acontecimentos desagradáveis. Mas só eu sei como estou depositando minhas fichas neste mês. Conto os dias para que julho termine. Não me importo com conselhos e achismos. Eu acredito em agosto. E não são experiências passadas que vão me fazer deixar de acreditar.

14 de julho de 2012

Era uma casa muito engraçada


Minha casa tem arquitetura estranha e decoração simples. Quase sem decoração. Meu quarto vem depois de outro quarto, sem corredores no meio, como não vi em nenhum outro lugar. Em um minha gaveta, coleciono lâmpadas queimadas pelo péssimo trabalho de um eletricista fanfarrão. Minhas paredes são úmidas, meu telhado tem buracos e meu chão tem rachaduras.
Minha casa tem arquitetura estranha e centenas de lembranças boas. Meu quarto vem depois de outro quarto, mas sempre foi recheado de amigos, de amor e um pouco de sacanagem. Em minha gaveta, coleciono memórias de uma vida inteira e minhas paredes são proteção de uma família que sempre foi meu teto e meu chão.

11 de julho de 2012

Enquanto você não vem



Eis que já me pego preocupado em me arrumar o bastante para a sua chegada. Tento pensar em cada detalhe; desde os planos e roupas para um sábado a noite até no que deve ficar em cima da mesa de cabeceira para que eu não pareça um bagunceiro. Conto nos dedos os dias que parecem não passar. Tudo isso para que chegue o dia de sol em que verei teu riso. Eu que já cheguei a demonstrar errada certa frieza, hoje sou todo calor para aquecer seus pés gelados pelo inverno. Mas enquanto você não chega, continuo a vida. Trabalho, como, durmo e espero. Espero.

9 de julho de 2012

Eu acho



A lembrança de teus ombros já se tornou uma constante em mim. O teu cheiro que impregnou minhas narinas e teu jeito engraçado de falar apressado são detalhes que já permanecem em mim e me alimentam durante a semana de ausência. Lembrar de nossas intimidades me gela a barriga e me fecha os olhos. A tua cintura, aquela que tanto falo, deixou a maciez que tanto admiro, quando presa em minhas mãos, de tal forma que sinto a necessidade de pedir mais. Pequenos detalhes como tocar a ponta de seu nariz, conversar com os olhos e buscar teu ângulo perfeito dentro de uma lente, são quase que suficientes para me manter sem você por 5 dias. É, "eu acho que gosto mesmo é de você. Bem do jeito que você é".

5 de julho de 2012

A vida de Ana




Daquela casa simples, o café requentado e o colchão frio da cama eram as melhores lembranças de Ana. Não importasse o pouco conforto, mas essas lembranças vinham carregadas do cheiro de José. Ele, que acordava cedo todas as manhãs, fazia o seu café, deixando pouco mais de meia garrafa do líquido para sua amada requentar quando acordasse. O colchão frio, já pelo tempo que José deixara de aquecê-lo com seu corpo esbelto, era carregado do cheiro de sua pele queimada do sol.

A vida era simples, mas Ana amava tudo aquilo. Seu esposo e suas 3 filhas era tudo o que precisava para seguir adiante. Matar as galinhas, temperar suas carnes e bater o seu sangue. Tudo antes das meninas chegarem dos pés de algodão. O almoço tinha de estar pronto, afinal, "menina minha não estuda com fome".
Apesar de metade do mundo dizer que as 3 carregavam seus traços, Ana teimava em procurar nos olhos de cada uma, a imagem de vosso pai. A casa era simples e a sala chovia no inverno. Mas era cheia de amor.

1 de julho de 2012

Sinuca de bico



Em tudo o que fizeres, pensa como um jogo de sinuca. A tacada inicial vai dar os prumos da partida inteira. Mas isso não impede que você saiba lidar com as novas jogadas. É possível desfazer um erro, compensando-o com novos acertos.


Também no Facebook!

26 de junho de 2012

Tempo... Tempo? Tempo!


Privar-se de algo querendo adquirir a certeza de um prolongamento no tempo é ilusão. Todos os carinhos, fidelidades e certezas que você conseguir com o tempo não lhe garantem nenhum futuro duradouro. Pois como em tudo na vida, nunca se tem a certeza de um amanhã. Quando você segura seus desejos até que tenha a certeza do sentimento alheio, saiba que, o que você pensa ser para sempre, pode simplesmente desaparecer no dia seguinte. Nenhum sinal de atenção garante o futuro. Arrisque-se! Ame-se e permita-se amar!

18 de junho de 2012

Como se deve amar



Não entendo, mesmo, é como as pessoas precisam demonstrar o amor que sentem umas pelas outras de forma tão auto-destrutiva. Coisas como "Eu não vivo sem você" e "você é o ar que eu respiro" são coisas que não entram na minha cabeça. O ser humano não tem necessidade alguma do outro para a sobrevivência, salvo para a reprodução da espécie. Não. Não pensem que não sou capaz de amar alguém, pois eu sou. Digo mais: Ame, devote-se a alguém, fidelize-se! Mas nunca, nunca ponha-se depois desta pessoa. Não diga que precisa dela para viver. Ame-se. Só assim serás forte para amar alguém de verdade!

23 de maio de 2012

Entre o perfume e a merda


Mamãe agora descobriu uma vizinha que fabrica desinfetantes com essência de perfumes famosos. "Uma maravilha!" - disse ela com a garrafa lilás nas mãos - "Perfeito para deixar o banheiro com um cheirinho inesquecível!".

Na verdade, acho que mamãe queria me dar uma lição. É que por coincidência, ou não, ela escolheu comprar o desinfetante com o cheiro do seu perfume. É... Agora eu aprendo de uma vez que chegar perto demais do seu cheiro é pedir para fazer merda!

19 de maio de 2012

Depois dos 20 e tantos



Não sei se por amar menos, ou pelo contrário, por amar de verdade. Mas o fato é que depois dos 20 e tantos a gente diz cada vez menos "eu te amo", tira cada vez menos fotos juntos e parece sentir cada vez menos falta. Apenas parece. Mas fato também é, que lá no fundo a gente tem mais certeza do que sente, de quem gosta.

17 de maio de 2012

Perfume


Assim como meu amor, meu perfume acabou e eu nem percebi. Até encontrar o frasco vazio. Falho.


14 de maio de 2012

Coleções


Desde pequena, colecionava em seus cadernos, recortes e frases bonitas esperando alguém por quem reescrevê-las. Hoje em sua estante já não há mais espaço para outro caderno e seu coração continua vazio.

5 de maio de 2012

Mandamentos de fé



Não serás óbvio em teus sentimentos. Não terás sentimentos. O 8 e o 80 não te agradarão mais. Não te abalarás quando confirmares a verdade e não levarás pela frieza alheia. Respeitarás o tempo do outro e seguirás o teu. Te amarás mais do que nunca e jamais se ajoelharás perante a dor.
Congela teu coração. Guarda-o para esquentá-lo na hora certa. Esconda-o nas mais profundas águas geladas do ártico até que um bravo urso o retire de lá. Até lá, afogue-se. Liberte-se. Aproveite-se.

Não mentirás. Não acreditarás em nada que não te seja mostrado. Te dei esse dom. Use-o com destreza. Com dureza de uma rocha, mas com a sensibilidade de uma rosa. Use-o para o bem; o teu próprio e do teu irmão. Vestes a armadura do guerreiro que és. Abre tuas asas e acolha teu irmão. Pessoas precisam de ti e serás consolo e força para estas. Procura a força que tens dentro de ti. Use-a. Não destruas a ti mesmo.

Se desabares, estarei aqui para apoiar-te. Mas não desabarás. És forte. És grande. És sábio. És do meu exército, o melhor. Não me desaponte.


Assinado: Tu mesmo.

30 de março de 2012

A liberdade



A liberdade é uma coisa engraçada. É verdade! Sua graça está no ponto em que se vê. O que é liberdade para uns, pro outro é uma prisão perpétua. Acho que entendi o que Clarisse quis dizer com "Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome". É que olhando de onde estou agora, a liberdade não existe. Livrar-se de uma coisa é prender-se a outra. Deve ser esse o sentido da vida; procurar essa outra coisa que não tem nome.

22 de março de 2012

Me apaixonei por um amigo! E agora?



Calma! Nem fui eu quem se apaixonou! Ultimamente eu não tenho conseguido me apaixonar nem pela mais romântica e atenciosa das almas que aparecem na minha vida. Isso é um problema. É. Mas isso eu me resolvo, vamos falar do que interessa.
Nesse post, que está bem técnico, se comparado aos demais, vou dar algumas dicas para que você não sofra (tanto) e, principalmente para que sua amizade não tenha um triste fim.


1º Antes de tudo, para e pergunte a si mesmo se essas amizade de vocês sempre foi deveras amizade ou se você só se aproximou de seu amiguinho por estar interessado nele. A verdade é que essa ideia de ficar amiguinho pra tentar conquistar alguém, raramente dá certo. Na verdade, tudo pode é piorar. O texto que eu escreveria aqui agora sobre como isso pioraria as coisas, vem na terceira dica. Pra não ficar repetitivo, sabe?


2º Aconteceu? Vocês eram realmente amigos e você se apaixonou depois? Hm... Então chegou a hora de prestar atenção. É preciso ver se é de fato uma paixão avassaladora, ou se você não está misturando todo o carinho, cumplicidade e confiança de uma amizade com o rostinho bonito e corpinho sexy do seu coleguinha. Antes de tomar qualquer atitude, tenha certeza do que você sente.


3º "Contei. E agora?" Bom... Você já passou pelo frio na barriga, já derramou litros de suor da sua mão, ficou zonzo de ver o "coleguinha está digitando" redes sociais win! e recebeu um "é melhor sermos amigos". Xiii! Mais uma vez é hora de prestar atenção! Cabe a você saber se vai continuar com sua amizade linda (só vale se vocês eram amigos antes de você se apaixonar). Mas preste atenção: Se você decidiu continuar amiguinho dele, continue assim, como AMIGUINHOS!! Não adianta ficar perto dele alimentando uma paixonite não correspondida. Se isso ainda vai te doer por um tempo, é melhor deixar claro que você vai se afastar por um tempo, e espera que um dia, quando você estiver preparado, seu coleguinha esteja lá, disposto a recomeçar toda a amizade linda que vocês sempre tiveram. Por que, bixo, num vai ser fácil pra tu, nem pra ele, viu? Se você ficar apaixonado do lado dele, você vai encher o saco dele com declarações implícitas, você ai sofrer ao ver ele continuando a vida dele, ele não vai ficar a vontade de falar mais certas coisas perto de você por medo de te fazer sofrer como amiguinho e daí tudo só tende a piorar.. O risco disso tudo? Vocês vão ficando cada vez mais distantes e depois de um tempo a amizade de vocês não tem mais jeito.


4º "Ele me correspondeu!" Então, coleguinha! Boa sorte, viu? Parabéns, agora vocês serão felizes! Só façam de tudo para que um dia, se isso acabar, afinal é a tendência do mundo moderno, essa amizade que vocês tinham antes não acabe.

7 de março de 2012

Sobre a mulher e o seu dia


Eu pensei em compartilhar rosas, mas já se foi o tempo em que todas as mulheres gostavam de rosas. Hoje a mulher tem força de vontade o bastante pra não gostar de rosas se não quiser. Então, para vocês mulheres, deixo aqui toda a minha atenção neste dia especial, o dia da mulher. Não que este dia deva ser o único dia de vocês, mas hoje, até comercialmente falando, mesmo, ele representa todos os outros dias de luta, sofrimento e rebaixo social que vocês viveram ao longo da história.
Um grande beijo para as mulheres, para as mulheres que gostam de mulheres, para as mulheres que gostam apenas de si mesmas, para todas as mulheres!
Feliz dia Internacional da Mulher!

26 de fevereiro de 2012

Espera



Ela se arrumou toda para ele. Passou batom e colocou o seu mais bonito vestido. Costurou as meias para que pudesse usá-las e fez touca no cabelo o dia todo. Pediu o rouge emprestado na vizinha e passou as últimas gotas de seu perfume importado.
Ela o esperou. Sentada por um tempo, andando de um lado para outro, por dois. Pensou em mandar um bilhete, mas não chegaria a tempo, e já estava escuro, não havia nenhum moleque de recado na rua.
Então, cansada, depois que seu vestido amassou, seu perfume evaporou e a maquiagem precisava ser retocada pelo tempo, ela lavou o seu rosto para que a água da bacia disfarçasse suas lágrimas perante o espelho da cabeceira. Então ela deitou e dormiu.

23 de fevereiro de 2012

O maior espetáculo da Terra



O maior espetáculo da terra não consiste em penas coloridas e gigantes alegorias para serem vistas. O maior espetáculo da terra é roda de maracatu, é chão cheio de confete e serpentina flutuando no ar. São velhas marchinhas que aceleram o coração e o sorriso do seu amigo que te vê sob efeito do álcool. É subir ladeiras sob o sol escaldante e se molhar com água mineral, se refrescando com cerveja gelada. É não ligar para a temperatura altíssima do vinho e não ter medo de ser feliz. O maior espetáculo da terra, se é para falar de carnaval, é ser feliz com pouco e estar com quem vale muito.

20 de fevereiro de 2012

Soneto de 7 notas

Tenho do. De medo, pareço andar de re, mas é  uma coisa que pulsa dentro de mi e de mais ninguém. Oro para fortalecer a minha fa. Aqui não tem sol, então fujo para la, onde eu posso voltar a si.

31 de janeiro de 2012

Diálogo Idiota (mas lindo).


-Vem cá. Chega mais perto. Quero ver seu rosto. Tocar. Sentir seu cheiro. Não vou beijá-lo, não se preocupe.
(Você me beija)
(Dois segundos de silêncio)
-Eu te amo.

25 de janeiro de 2012

Pés no chão

-É que em 70% dos casos eu não tenho contato com meus ex-namorados
-Então nunca namoraremos. Está decidido!
-?
-É que tenho plena consciência que não será para sempre. E não quero deixar de ter você por perto.

20 de janeiro de 2012

Serviço de Futilidade Pública


Notícias sérias e de utilidade pública. É com esse intuito que eu ligo a Tv, por volta do meio dia para assistir o tele-jornal local. Mas a vergonha alheia tomou conta de mim, quando, mais do que as barreiras técnicas, que são muitas, a equipe jornalística ultrapassou todos os limites de bom senso e alienação do público. Sem querer mencionar o péssimo gosto para o figurino da apresentadora, vou, então, descrever o que acabo de ver.
Esquecendo que o estúdio não tem a mínima condição acústica de receber instrumentos de percussão, como a bateria, o jornal decidiu apresentar uma banda que, segundo foi dito, “representa a cultura local, em um aquecimento do São João”. Uma banda de forró, que – momento para opinião própria, e sem nenhum embasamento científico – decaiu do forró pé-de-serra para um “forró estilizado”. Nada contra assumir que tal estilo, infelizmente, faz parte da nova geração de MPB (em outro post eu explico isso), mas a partir disso, num momento sério, em um horário de almoço, eu ser obrigado a ouvir um forró com letras pornográficas, e tendo que aceitar isso como pauta para um telejornal, que já tem diversas limitações, é um pouco demais, né?
Sem querer parecer o que não sou, não me cabe nenhum título de crítico musical, mas “beija no dedinho, peitinho, perninha, bundinha” não é nada do que qualquer pessoa espera ou quer ouvir em um telejornal  de tamanha importância local, como é o JPB.

10 de janeiro de 2012

Sobre o Big Brother Brasil


Com um logotipo que lembra efeitos pobres de photoshop em fontes neón  e uma abertura, antes tarde do que nunca, diferente das demais, começa o Big Brother Brasil. Este programa que vem dividir as redes sociais e mover metade (que tem coragem de falar que assiste) do país, chega mais uma vez, prometendo. Promiscuidade, previsibilidade e loucuras. O que para muitos é um programa sem cultura alguma, vejo como um teste psicológico e um estudo do indivíduo sem nenhum limite, onde pessoas são trancafiadas e submissas a diversos testes como ratos em laboratórios, sendo bonzinho em não dizer, como animais de teste de shampoos e maquiagens.
Mas por favor, Pedro Bial, não subestime a sua platéia já sofrida de preconceitos, questionando se 4 lugares reservados a imagens dos participantes, preenchidos apenas com interrogações querem dizer alguma coisa.
Bem... O programa está apenas começando (estou com a transmissão atrasada em um hora no Nordeste devido ao horário de verão) e para evitar maiores comentários que me renderão pedras, dou um ponto a atitude de inibir o desperdício de banhos infinitos, onde é preciso gerar energia a manivela para esquentar a água.
Antes de postar, deu tempo ver as animações aparentemente super mal feitas para exibir os perfis dos participantes. Hm... Somado ao logotipo citado lá em cima, temo a decadência das animações e da boa aparência virtual do programa que, inegavelmente, melhorava a cada edição. Esperemos para ver...